E no último dia da Semacom 2018, uma mesa-redonda sobre Marketing Político

Texto: Beatriz Teixeira e Jéssica Marte

Nesta sexta feira (04), o Centro Universitário UniFanor | Wyden – Campus Dunas recepcionou a mesa-redonda “Marketing Político”. Integrando a bancada estava Adriana Saboya, professora de cursos de especialização em comunicação do UniFanor e João Uchôa, titular da coordenadoria de publicidade e marketing da prefeitura de Fortaleza, com o apoio da professora Ozângela Arruda responsável pela mediação da mesa.

Temas como imagem de políticos em campanhas eleitorais e propagandas partidárias foram abordados durante o evento. Adriana iniciou falando sobre o fato de apenas 52% da população brasileira não ter acesso à Internet, o que dificulta bastante o reconhecimento dos políticos, visto que o rádio e a TV são os principais canais de comunicação com a população que não têm acesso ao meio virtual.

Identificou algumas diferenças entre as eleições no interior e na capital, elencando fatores como o surgimento das fakenews, e como profissional da comunicação que conhece esse meio, apontou algumas dicas para quem vai trabalhar em campanhas eleitorais:

  • O que potencializar e o que minimizar no candidato;
  • Que características devem ser apresentadas e quais devem permanecer ocultas;
  • Utilizar as plataformas Facebook e WhatsApp de forma positiva, e
  • Trabalhar a questão da imagem do candidato, quanto a estética.

Adriana deixou claro também que para ela, “a pessoa ética não se separa do profissional ético, e vice-versa, pois, você só pode ser um se, automaticamente, for o outro também”, e encerrou comentando que “na internet as pessoas são reflexo do que elas são na vida real, assim como, a forma com que elas se apresentam, é o que elas fazem fora dela (da internet) ou gostariam de fazer nas suas vidas pessoais”. E por fim, fez referência a frase do famoso escritor e filósofo Humberto Eco que diz “A internet deu voz aos idiotas”, por acreditar que com o surgimento das fakenews, muitas pessoas acabam cometendo enganos, por vezes irreparáveis, como influenciar na opinião do outro baseado em mentiras.

E João, embasado no papel do jornalista na mídia no período eleitoral, formulou questionamentos sobre candidatos majoritários e o quão importante é o fato deles lhe darem com a verdade, no sentido de serem verdadeiros com o que falam e com o que propõem ao público, pois ele acredita que “uma condução errada pode colocar toda a campanha para trás ao invés de alavancar o candidato nas pesquisas, levando-o dessa forma a não vencer a eleição”. Finalizou o debate afirmando que “a gente só combate mentira com a verdade” e que a “a lei existe pra gente seguir”.

De um modo geral, foram comentados assuntos como a publicidade dos candidatos nas redes sociais; a redução do período de campanha eleitoral de 3 meses para 45 dias; a repercussão dos programas eleitorais que são considerados fenômenos bastante estudados e repercutem tanto ao ponto de se tornarem pauta na imprensa; questões éticas indagando o que se pode ou não fazer em uma campanha, dentre outros assuntos dentro do tema Marketing Político.

A Semacom ocorre ainda ao longo da tarde e da noite de hoje, (04) de maio, no Centro Universitário UniFanor | Wyden, Campus Dunas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *