Palestra na Unifanor|Wyden promove conscientização do Autismo

Texto: Sávio Viana

Na terça-feira (2), Dia Mundial de Conscientização do Autismo, foi realizada a palestra “Nada sobre nós sem nós”. O evento contou com a presença de convidados com Transtorno do Espectro Autista (TEA) a fim de desmistificar o Autismo, promover interações sobre experiências trazidas pelos convidados e desconstruir preconceitos estigmatizados na realidade social dos portadores da condição.

Professoras do curso Psicologia junto a Coordenadoria de Apoio e Suporte ao Aluno (CASA), inovaram, ao invés de trazerem Psicólogos especialistas em TEA, provocaram uma discursão interativa com Lucas Sampaio, professor de história e coordenador de sala na Casa da Esperança, Blue Peixoto, estudante do ensino médio e palestrante, e Beatriz Souza, ativista pela Neurodiversidade e coordenadora do grupo Neurodiversos na Casa da Esperança, todos com autismo.

“Foi uma ideia que surgiu da possibilidade de olhar para esses sujeitos como potentes. Compreender como eles podem nos ensinar e como nós podemos compreender a diversidade e as diferenças que nos constitui. Tínhamos regularmente palestras com especialistas sobre a temática, mas não víamos esses sujeitos. Então entendemos que trazer essas pessoas que superam, transformam e ensinam é a melhor forma de sensibilizar pra que as pessoas encontrem formas de lidarem com suas questões”, contou Tisciana Sá, Professora de Psicologia.

As falas dos palestrantes tinham como objetivo uma exposição dialogada de relatos e experiências vividas no ciclo da vida (infância, adolescência, juventude e vida adulta). Blue inicia expondo sua construção social na educação básica e sobre o preparo das escolas, Beatriz com a vivência do autista no ensino superior e Lucas com as experiências no mundo do trabalho.

“Acho muito importante a Unifanor ter se envolvido nesse movimento político emergente. A luta pela inclusão dos autistas está começando agora. É muito bom saber que existe instituições que abraçam e chamam autista pra relatar suas condições, invés de continuar o velho costume de médicos e psiquiatras falando sobre autistas”, disse o Professor de História.

Os alunos de psicologia foram maioria na palestra e puderam refletir sobre a realidade e como eles interagem com o mundo. “Ter um autista falando sobre a própria condição é outra visão. A gente é especialista de si mesmo. Eu quero causar a mudança de como esses futuros psicólogos atuam. Que eles nos escutam mais e nos acompanham com mais frequência, ao invés de se estagnarem na mesma comunidade de profissionais que falam as mesmas coisas”, orientou Beatriz.

“Já participei de outras palestras com a tema e também a oportunidade de trabalhar com crianças onde se busca a sociabilidade, e percebi que as perguntas são sempre, como que trato? Como eu lido ou trabalho com essas pessoas? E depois dessa experiência você muda sua percepção, sai da parte técnica e vive o momento de perceber eles como pessoa, mais humanitário”. Relatou Fellipe Sousa, aluno de Psicologia

Ao final da palestra aconteceu uma oficina de artes, onde os alunos participantes tinham que pintar um autorretrato, algo que trouxesse sua representatividade. “Como essa oficina eu quis trazer a motivação para se expressar através da arte e mostra que somo seres singulares, e não normatizar, ser indistinguível dos pares”, disse Blue ao fim do evento.

Julianna Formiga

Jornalista e professora na DeVry Fanor.

2.434 comentários em “Palestra na Unifanor|Wyden promove conscientização do Autismo