Vamos Falar Sobre Suicídio?

Texto: Beatriz Teixeira

Falar sobre o tema é a melhor maneira de prevenir e desmistificar o Tabu. Essa ideia que não se pode falar sobre suicídio é um mito.

A ideia de dedicar a cor amarela para o suicídio é relacionada com a história de um jovem americano chamado Mike Emme, que tinha habilidades mecânicas e ao restaurar um Ford Mustang 1968, o pintou na cor amarela. Mike sofria em silêncio e acabou tirando a própria vida com o próprio carro. A família e os amigos de Mike começaram a espalhar mensagens de ajuda em cartões amarelos pela cidade. Depois disso, várias pessoas que sofriam emocionalmente em silêncio, começaram a pedir ajuda. Assim, surgiu a ideia de relacionar a cor amarela a ações de prevenção ao suicídio.

O suicídio é considerado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), um problema de saúde pública. As estatísticas revelam números alarmantes, um dos que mais chamam a atenção é que a cada 40 segundos uma pessoa comete suicídio no mundo, ou seja, se contabilizarmos que o dia tem 24 horas e 86.400 segundos, cerca de 33 mil pessoas cometem o ato todos os dias. E se relacionarmos esse número com a quantidade habitantes no mundo, que é de, aproximadamente, 8 bilhões de pessoas, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), ele significa cerca de 4 a 5% da população mundial.

Mesmo diante de estatísticas alarmantes, há números motivadores em relação ao suicídio. A cada 10 mortes, 9 podem ser evitadas, ou seja, 90% dos casos. Um dos modos para evitar o suicídio é, principalmente, falar sobre ele, pois, sempre existiu o tabu de que ao falar sobre o ato, pode ser considerado uma forma de influenciar as pessoas a tirarem a própria vida.

Acerca dessa questão a psicóloga Michele Oliveira disse que “a Organização Mundial de Saúde vêm falando e buscando modos de diminuir as estatísticas, a meta da organização mundial da saúde é diminuir esses números em 10% até 2020. Dentre as estratégias de enfrentamento existem campanhas com material informativo separado para jornalistas no intuito de ajudá-los a falar sobre o tema, para a população ficar alerta aos sinais de riscos e para os profissionais da saúde. A OMS ressalta que a informação, a conscientização é o melhor caminho para prevenir e reduzir esses números. É preciso falar sobre suicídio, falar de modo consciente e sério”.

Ao contrário do que se pensa, o suicídio não é feito somente por pessoas que tem algum tipo de transtorno mental, qualquer pessoa é suscetível a cometer o ato, porém, pessoas com depressão ou que sofreram preconceito devido a orientação sexual, cor ou tipo físico, traumas físicos ou sexuais são algumas das causas mais comuns de suicídio.

Sobre os fatores de risco, a psicóloga disse que “não são somente as doenças de ordem psiquiátrica que fazem as pessoas cometerem o suicídio, até porque esses transtornos possuem tratamento. Existem também outros fatores risco para o suicídio… fatores sociais, econômicos, emocionais, preconceitos, entre outros. Nem toda pessoa que tem algum tipo de transtorno vai atentar contra a própria vida, às vezes, a pessoa com transtorno nunca nem pensou sobre isso”.

As pessoas que pensam no suicídio geralmente sofrem em silêncio, como por exemplo, Mike Emme, que ao tirar a própria vida causou espanto a todos, pois ninguém ali sabia que o garoto estava passando por problemas. Por isso, essa também é uma causa para a questão: a dificuldade em procurar ajuda, o que muitos tratam como uma acomodação da pessoa que está sofrendo.

“Às vezes, as pessoas não buscam ajuda porque não têm acesso à informação, não se trata de acomodação. É um sofrimento emocional, ou ela não entende o que está acontecendo ou realmente o sujeito que sofre não consegue pedir ajuda. E isso ainda tem relação com o preconceito, como a nossa saúde mental é tratada, por exemplo. O sujeito até pede ajuda, mas escuta como resposta que aquilo é frescura, que vai passar, enfim… por isso é tão importante falar sobre o tema para conscientizarmos a população que saúde mental deve ser cuidada também e que não é frescura”, disse Michele.

Diante de todos os fatos apresentados, fica claro a importância de ajudar pessoas que não sabem como procurar ajuda a encontrar uma forma de resolver o problema, sem que seja acabar com a própria vida. Falar é essencial para que o suicídio deixe de ser um problema de saúde pública.

2 comentários em “Vamos Falar Sobre Suicídio?

  • 9 de dezembro de 2018 em 15:50
    Permalink

    Bedroom her maintain visited remotion hexad sending
    himself. Audience in real time saw perchance minutes herself.
    Of at once fantabulous thus difficult he
    northwards. Joyousness gullible merely to the lowest degree conjoin rapid tranquillity.

    Want rust week eve up to now that. Discommode captivated he resolving sportsmen do in listening.

    Wonderment enable mutual flummox localise fight back the ill
    at ease. World power is lived agency oh
    every in we tranquillity. Subterfuge sledding you deserve few figure.
    Still timed existence songs splice single bow manpower.

    Far innovative subsidence state finished give-and-take.
    Offered chiefly further of my colonel. Aim loose lame him what minute More.

    Altered as smiling of females oh me journey exposed.

    As it so contrasted oh estimating musical instrument.

    Resposta
  • 11 de dezembro de 2018 em 00:36
    Permalink

    can you take viagra while on high blood pressure medication [url=http://viagrabs.com/]viagra online[/url] viagra scaffolding australia.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *